• Livia Ribeiro

4 sinais de “greenwashing” em escolas


Com a sustentabilidade em alta e com as crises ambientais que estamos enfrentando, a temática tornou-se, novamente, destaque em meios de comunicação - tópico importante para famílias e um fator de diferenciação para instituições.


No meio escolar não é diferente. A demanda de responsáveis de uma geração mais consciente e exigente, junto com a necessidade de experiências de verdadeira conexão neste contexto pandêmico, fizeram com que muitas escolas iniciassem ou retomassem suas ações de sustentabilidade.


Entretanto, por desconhecimento ou por escolher o caminho mais superficial, muitas delas acabam realizando o “greenwashing” ou "maquiagem verde", prática perigosa à sua reputação, em que comunicam serviços e ações ambientalmente corretas apenas “para inglês ver”.


Confira sinais de que sua escola pode estar caindo nesta armadilha:


LIXEIRAS COLORIDAS


No Brasil, a coleta seletiva, quando existe, é realizada entre recicláveis e não-recicláveis na grande maioria das vezes. As lixeiras coloridas (papel/vidro/metal/plástico/comum) são um exemplo clássico de um forte indicativo de um sistema que não funciona, que adiciona complexidade ao comportamento sustentável que se deseja e não cumpre seu papel educativo, portanto, um grande sinal de greenwashing na escola.


MUITAS TECNOLOGIAS, POUCOS PROJETOS PEDAGÓGICOS


Ao visitar espaços educadores com muitas tecnologias “verdes”, questione sobre como os projetos pedagógicos estão integrados e confira se elas são um fim, ou seja, um modo de mostrar para o público externo o que a escola possui, ou um meio, isto é, uma ferramenta pedagógica para o desenvolvimento de competências do seu público interno que, por consequência, traz um ganho ambiental e social.


HORTAS DE MONOCULTURA "INSTAGRAMÁVEIS"

Uma horta com a terra “limpa”, um aspecto como em fotos clássicas da internet e com pouca diversidade de culturas pode ser um indicativo que ela é utilizada apenas para fins estéticos. Quando as ações de sustentabilidade estão no DNA das atividades, a horta é utilizada diariamente como um instrumento de aula e um lugar vivo que segue princípios da agroecologia, desenvolvendo um olhar mais humano, diverso e respeitoso nos estudantes.



APENAS UMA PESSOA DA ESCOLA SABE SOBRE O ASSUNTO


Faça o teste e pergunte a diferentes colaboradores sobre como é a sustentabilidade na escola. Isso mesmo! Pergunte à equipe do administrativo, cantina ou limpeza. É claro que ninguém é obrigado a dar respostas magníficas, porém, uma característica marcante de uma verdadeira cultura de sustentabilidade é que todos sentem-se corresponsáveis pelo tema e saberão pelo menos do que se trata, não ficando centralizado tudo em uma educadora, coordenadora ou diretora.


Certamente há exceções, mas é visível um padrão de comportamento em diferentes instituições e urgente a necessidade de trabalhar a sustentabilidade como um valor na cultura escolar.


Como é a realidade na sua escola ou de seus/suas filhos(as)?


138 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo